O Mar!
Cercando prendendo as nossas Ilhas!
Deixando o esmalte do seu salitre nas faces dos pescadores,
roncando nas areias das nossas praias, batendo a sua voz de encontro aos montes,
… deixando nos olhos dos que ficaram a nostalgia resignada de países distantes …
… Este convite de toda a hora que o Mar nos faz para a evasão!
Este desespero de querer partir e ter que ficar! …
— Poema do Mar, Jorge Barbosa

Primeiros Hotéis na Ilha de São Vicente - Cabo Verde

Segundo o investigador de História e História da Arte, ex-docente e escritor Senhor Joaquim Saial responsável pelo site Praia de Bote, o início do século XX era a época em que a iluminação local ainda dependia dos candeeiros Kitson, daqueles em que um operário os acende diariamente pelo entardecer e esse mesmo operário os apaga ao amanhecer.

Vale lembrar que o Professor Joaquim Saial se refere as notícias da “Folha de São Vicente” na seção do jornal "O Futuro de Cabo Verde"
de 02 de Julho de 1914, periódico que abordava horizontes e sonhos de modernidade para a cidade de São Vicente, dessa forma informou sobre a sessão da Câmara Municipal realizada algures na primeira metade de 1914 sobre a ideia de se substituir a iluminação pública vigente, do sistema Kitson, por uma rede elétrica.

A proposta foi assinada por Júlio Alves da Veiga, presidente da edilidade são-vicentina, e pelo vereador César Serradas, tinha apenas a finalidade de fazer com que se estudassem os meios de se tornar viável o projeto. Nessa mesma edição, a Folha de São Vicente lamentava o fato de se ter gasto muito dinheiro com o sistema de iluminação a acetileno e depois com os candeeiros Kitson, alegando que esse montante poderia ter sido aplicado à partida no moderno sistema elétrico de iluminação.

Duas pinceladas sobre a vida de Augusto Messias de Burgos – Por Martinho de Mello Andrade

O Ilustre cabo-verdiano, Augusto Messias de Burgos, nasceu em 12 de Julho de 1868, em Mindelo, Ilha de São Vicente, e desencarnou a 23 de Abril de 1945, na romântica Cidade de Santos-Brasil, portanto está-se no limiar dos seus 149 anos, após a sua encarnação.
Tão cedo emigrou para o Brasil, onde fez a sua vida futura, se casou com sua patrícia, Rita de Cássia Fortes com quem teve cinco filhos.

Como tudo está planeado, tudo tem a sua razão de ser, conforme nos ensina a Doutrina do Racionalismo Cristão, o que concordamos pelas nossas próprias conclusões, portanto não existem acasos, nem determinismos, nem coincidências, visto que tudo é regido pelas leis naturais que são imutáveis.

Augusto Messias de Burgos, espírita, de rara sensibilidade veio encontrar-se com o Comendador Luiz José de Mattos, Luiz Alves Thomaz e Manoel João Alves, numa sessão espírita na sua modesta casa, sita na Avenida Rangel Pestana nº 79, Vila Mathias, na cidade de Santos – SP, na qual era presidente físico, está claro que cultivava a linha kardecista, enquanto Padre António Vieira era presidente Astral, tendo este ordenado a passagem do Bastão a Luiz José de Mattos, que assumiu o comando com uma certa relutância, pois que era a primeira vez que assistia a uma sessão do género. Porém, o Comendador Luiz de Mattos, codificou a Doutrina do Racionalista Cristão, com cabeça, tronco e membros, não sobrando e nem faltando nada para o esclarecimento da humanidade, separando as águas de outras correntes espíritas, incluindo a Kardecista.

Dos Kardecistas, só ficou com Luis de Mattos, Leandro Francisco Gomes que se tornou um racionalista cristão de gema, prestando-lhe grande colaboração na Doutrina do Racionalismo Cristão.

40 anos de silêncio sobre as prisões e as torturas em São Vicente - Por Jorge Montezinho

Segundo o site "Expresso das Ilhas"  no artigo  "40 anos de silêncio sobre as prisões e as torturas em São Vicente" assinado por José Montezuma, o blog "Arroz Catum" publicou um interessante comentário denominando "Finalmente a Luz", assim se inicia.

Com a devida vénia, irei reproduzir algumas partes desta matéria, que foi desenterrada tarde demais para a esmagadora maioria daqueles que de forma arbitrária, desumana e insensata, se viram privados da sua liberdade e despojados de toda a dignidade!
Resultado de imagem para IMAGEM DA PRISÃO DE SÃO VICENTE CABO VERDE
Estabelecimento prisional de São Vicente
A matéria é relativamente extensa, mas de grande relevância e valor "histórico", pelo que tentarei ser fiel aos textos do autor Jorge Montezinho, todavia, serão publicados em pequenos trechos.

"Prisões, torturas, mortes. Há 40 anos São Vicente sentiu a mão pesada do Partido Único, mas as origens da repressão brutal que sacudiu a ilha estavam a 5.425 quilômetros, em Angola, onde o levantamento popular de Maio de 77 fez soar os alarmes junto dos dirigentes do PAIGC.”

Para perceber o que aconteceu em São Vicente temos primeiro de saber o que aconteceu em Angola e comparar as tácticas usadas, porque, logicamente, não se pode comparar a dimensão da repressão. Comecemos então por Angola. Em Outubro de 1976, a 3ª Reunião Plenária do Comité Central do MPLA marca o início do conflito aberto entre o grupo reunido em torno de Nito Alves (Ministro da Administração Interna) e a maioria da direção política do MPLA. Nito Alves e José Van Dunem são acusados de “fraccionismo” [termo usado também pelo PAIGC, quando procedeu à expulsão dos chamados trotskistas] e por proposta de Van Dunem, é formada uma comissão de inquérito, sob a presidência de José Eduardo dos Santos, para investigar a existência de fraccionismo no MPLA.

100 Anos do Liceu em Cabo Verde – Por Brito-Semedo

Assinalou-se na terça-feira, 13 de Junho, o centenário do Liceu Nacional de Cabo Verde, criado em substituição do Seminário-Liceu de São Nicolau, a funcionar, provisoriamente, no edifício
do seminário extinto, e, a 8 de Outubro, a decisão da sua instalação em São Vicente, tendo o Decreto aprovado o Plano Orgânico da Instrução Pública de Cabo Verde que estabelece no seu artigo 11.º que "o ensino secundário é ministrado no Liceu Nacional criado pela Lei n.º 701, de 13 de Junho de 1917, com sede em São Vicente".

O Liceu Nacional de Cabo Verde viria a ser inaugurado com pompa e circunstância a 19 de Novembro de 1917.

Liceu Nacional de Cabo Verde (1917-1926)

No processo da criação e instalação do Liceu impõe-se uma figura singular, o Senador Augusto Vera Cruz (Sal, 1862 – 1933).

O Senador Vera Cruz conseguiu que a publicação da Lei que extinguia o Seminário-Liceu criasse simultaneamente o Liceu Nacional de Cabo Verde e, depois de duras batalhas, a sua transferência para funcionar em São Vicente.

Havendo o problema de instalação nessa ilha por falta de um edifício, o Senador Vera Cruz cedeu a sua residência na Praça Nova, passando ali a funcionar o Liceu por 3 anos, até à sua instalação definitiva no antigo Quartel do Corpo da Polícia.

Liceu Central Infante Dom Henrique (1926-1937)

A passagem da vida física para a vida espiritual - Por Carlos Yates e Wilson Candeias

É sabido que a moderna medicina, tem provas que alguns seres apesar de estarem clinicamente mortos, retornam a vida física e narram inacreditáveis experiências de voos pós saírem de seus corpos, então torna-se claro que a vida continua pós morte física.

O ser que estuda a espiritualidade, sabe que dentro das leis naturais e imutáveis que tudo regem no universo, uma encarnação na longa caminhada de um espírito, nada mais é do que um simples momento na sua existência, portanto, nesse vai e vem, encarna e desencarna, existe uma passagem, um contato com o outro lado, contato inicial com a eternidade que vai conscientemente desabrochando com o galgar contínuo às classes espirituais de maior evolução.


“Antes de chegar aos problemas máximos do Universo, a criatura apenas precisa adquirir os conhecimentos necessários à sua evolução”. Luiz de Mattos

Um Mindelo a Modernizar-se. Início do Século XX – Por Joaquim Saial

A I Guerra Mundial começou a 28 de Julho de 1914. Pouco antes, inaugurava-se no Mindelo o grande frigorífico conjunto das casas Lopes & C.ª e Madeira & C.ª e a Câmara Municipal pensava em substituir o antiquado sistema de iluminação Kitson pela electricidade.

Pelo meio, a mesma instituição acabava de deitar abaixo um pestilento e degradado urinol, vergonha da urbe que se queria limpa e renovada. São tudo notícias da "Folha de São Vicente", secção do jornal O Futuro de Cabo Verde, de 2 de Julho de 1914 , que mostram uma certa dinâmica de modernidade que percorria a cidade única de São Vicente, apesar das nuvens negras de morte e destruição que se avizinhavam no Mundo.

Urinol a abater

"Pois já não era sem tempo." Assim começava a nota sobre o urinol que se encontrava à entrada da cidade. Com notável sentido de humor, o articulista anónimo dizia que o tempo e a Câmara Municipal havia feito a meias o trabalho de derrube do equipamento:

"Esta [a CMSV], com medo de ofender aquele, foi esperando que ele, a pouco e pouco, como bom obreiro, se encarregasse da parte que lhe competia e depois um pouco envergonhada do seu descuido chegou lá e em dois dias, com um pedreiro, foi um ar que lhe deu."Referia o jornal que se soava que o Município de São Vicente pensava em substituir o desmantelado urinol por outro "em melhores condições de construção e mais facilidade de higiene" e perguntava, terminando: "Será assim?"

É quase certo que tal tenha acontecido. Pelo menos, o “plurim de virdura" (mercado de verduras) sempre teve uma casa de banho pública, à direita de quem entra pela porta da Rua de Lisboa e que curiosamente protagonizou perto dos meados dos anos 60 do passado século um episódio de milagroso aparecimento de petróleo."

São Vicente, o salto para a modernidade – Por Lucy Bonucci


Segundo o site Esquina do Tempo, numa histórica publicação dos principais momentos sobre a implantação da energia elétrica em São Vicente, Cabo Verde, assinado por Lucy Bonucci, uma das descendentes do armador italiano Gaetano Bonucci e depois Pietro Bonucci principal articulador da implantação da energia elétrica na ilha, dessa forma o compartilhamos.

São Vicente, o salto para a modernidade – Por Lucy Bonucci

Recuando no tempo, rebobinado o filme da história, fixando as datas mais marcantes, tudo começa com a descoberta de S. Vicente no dia 22 de Janeiro de 1462. Durante quase quatro séculos, a ilha manteve-se desabitada e durante muitos anos relegada ao esquecimento.

As várias tentativas de fixar gente na ilha, sempre se mostraram bastante difíceis, principalmente devido à endêmica falta de água. O que é hoje o Mindelo, não passava de um simples lugarejo onde os pescadores das ilhas vizinhas encontravam abrigo nas suas lides da pesca.

Segundo relatos da época, só em 1795 foi concedida a autorização para iniciar o seu povoamento, tendo então chegado os primeiros colonos a S. Vicente: vinte casais e cinquenta escravos, trazidos do Fogo. Uma dúzia de barracas e cabanas foram então erguidas no local onde hoje se localiza a Pracinha da Igreja, constituindo a Aldeia de Nossa Senhora da Luz.


Em 1819, não tendo São Vicente mais de 120 habitantes, o governador António Pusich, apercebendo-se das potencialidades do Porto Grande, traz mais 56 famílias de Santo Antão. Sonhando com a criação de uma cidade, rebatiza a povoação com o pomposo nome de vila Leopoldina.

Em 1838, a companhia inglesa East Índia estabelecia em São Vicente o primeiro depósito de carvão, ao mesmo tempo que, na metrópole o Marquês de Sá da Bandeira decretava que a povoação na baía do Porto Grande adotasse o nome de Mindelo.

O espírito não encarna neste mundo em busca de sofrimentos - Por Francisco da Cruz Évora

O espírito não encarna neste mundo em busca de sofrimentos, mas, sim, em busca de ganhos evolutivos que levará consigo. Porém, aqui, não há como fugir do sofrimento!

O problema do sofrimento humano requer, de cada estudioso, uma análise cuidadosa e honesta. “Qualquer conhecimento que permita ao doente [ou, por extensão, ao sofredor] uma apreciação mais clara do seu problema diminui a ansiedade”, escreveu o Dr. Patrick Wall no seu livro intitulado DOR – A ciência do sofrimento.

Desse mesmo livro é o seguinte extrato: “Os santos e mártires sofreram mortes cruéis e dolorosas como seguidores do exemplo de Cristo.
Limpeza Psíquica
Mais tarde, a dor auto infligida veio a ser um caminho aceite para se unirem ao seu reino. Santa Marguerite Marie Alconque (1647-90), que fundou o culto do Sagrado Coração, escreveu: Nada, a não ser a dor, faz a minha vida suportável.”

Somos tão poucos em benefício da humanidade - Por Pedro Pesce

O Racionalismo Cristão ainda é o esforço de alguns em benefício de todos.
Só nós podemos aquilatar nossas renúncias, nosso auto-controle, nosso pensamento elevado 24 horas por dia nosso denodo, nosso cuidado com "os tostões", nossa preocupação em respeitar a todos, nossa disciplina de conduta e pensamentos, sempre lutando contra nossos maus hábitos e nossas imperfeições, etc.

Uma vez mais é evidenciado o pioneirismo dos nascidos em Cabo Verde – Jornal A Razão – 1982

Limpeza Psíquica
Destacamos neste número, uma carta do Centro Redentor Correspondente de Jersey City, dando ciência ao Diretório do Centro Redentor de como foi comemorada, no dia 9 de Maio de 1982 – a data do 2º aniversário de Fundação daquele núcleo racionalista cristão em terras norte-americanas, onde uma vez mais é evidenciado o “pioneirismo dos nascidos em Cabo Verde”...

...Antes de terminar, quero justificar a expressão “Uma vez mais é evidenciado o pioneirismo dos nascidos em Cabo Verde”.

O Centro Espírita, onde Luiz de Mattos foi levado, por amigos, em 1910, em Santos, para conhecer fenômenos espiríticos e daí partir para o estudo do Espiritismo Racional e Científico, era dirigido por um Cabo-verdiano;

Leis Naturais e Imutáveis - Por Martinho de Mello Andrade

Cada um é responsável por aquilo que prática. Isto é a verdadeira Lei!

Limpeza Psíquica
LEI DE CAUSA E EFEITOS!

Quer para Presidentes das Repúblicas ou para os seus colaboradores, quer para os Chefes de quaisquer instituições, quer para os seus empregados.

Quem faz bem ao seu semelhante, a si mesmo o está fazendo e quem prejudica o seu povo a si mesmo está fazendo.

Limpeza Psíquica
Nenhum mal fica impune. Quem prática o mal contra o semelhante, terá de resgatá-lo com sofrimentos e dores, até obter o equilíbrio de um bom cristão.

Tudo que o homem faz fica nele escrito no seu subconsciente, no seu âmago: se for bem, ascende... fortalece... cresce na espiritualidade, voa, qual águia, o seu espírito fica leve porque descomprometido... se for mal terá que o resgatar, para o seu próprio bem, até ficar Luz, porque em essência toda a gente é Luz.

A família - Por António de Pina Tavares

A família é a união de pessoas, as mais próximas dos próximos que, em comum, têm objetivos bem definidos como tarefas de vida para o progresso de cada um e de todos.

Cada membro assume, em coordenação com os demais, as suas responsabilidades que têm afinidades comuns, e complementares, formando uma harmonia integral, cujos resultados conduzem ao benefício de todos, quando são cumpridas.

Os filhos são de todos os pais, como estes são de todos os filhos. No entanto, os que pertencem a uma família estão sob a responsabilidade direta dos pais como missão para ser bem cumprida.

Espaço e Tempo - Por Luiz de Mattos

Para o espírito, todas as grandezas se confundem, porque ele está em toda parte e em qualquer tempo.

Espaço e Tempo, aliás, com iniciais minúsculas, são duas relatividades que só interessam aos meios físicos. Com letras maiúsculas, no entanto, representam concepções absolutas que a linguagem humana é demasiado pobre para definir, diante da grandeza do Infinito.

O Espaço - Por Luiz de Mattos

clique em qualquer foto
para ver como SLIDE
Por mais que o ser humano dê expansão aos seus conhecimentos, por mais que os analise e neles se aprofunde, não poderá penetrar, partindo da limitada posição que ocupa neste planeta, toda a extensão infinita do Espaço.

A mente, embora possa avançar até um certo ponto, fica sempre sem atingir a meta extrema, que se encontra sob o domínio de valores absolutos.

Perdem tempo os que se preocupam, em demasia, com a definição integral do problema do Espaço para abranger a sua concepção total, porque somente a Inteligência Universal é detentora de tão completo saber.

Lançamento do Livro Introdução do Racionalismo Cristão às Crianças - Por Martinho de Mello Andrade

O autor Sr. Martinho de Mello Andrade ao colocar a disposição de todos pais, educadores e estudiosos do espiritualismo, este novo livro dedicado ao esclarecimento de crianças e da juventude, nos diz;
"É certo que os pais querem o melhor para os seus filhos, assim sendo, a sua responsabilidade para com a prole começa desde o embrião e o espírito deposita toda a confiança neles, atendendo a que foram por eles escolhidos.